Rock Rampa, Paço das Artes

skate e arte

“Rock Rampa” Projeto de intervenção para Temporada de Projetos, Paço das Artes, 2004

paço das artes sao paulo instalação

thiago bortolozzo rock rampa

Plano inclinado, Cauê Alves

Rock: Rampa de Thiago Bortolozzo para a Temporada de Projetos marca uma guinada em sua produção. Distante de formas desajeitadas e improvisadas, este trabalho, ao contrário da série Vital Brasil, não joga com o equilíbrio capenga e com a ausência de sustentação e solidez. A instabilidade que colunas e vigas revestidas de madeirite engendravam no espaço arquitetônico, em seus projetos anteriores, é aqui convertida em firmeza.

Trata-se de rampas para o corpo e para o olhar do espectador, como as usadas por skatistas. Com forma piramidal e estrutura modular, o sentido insinuado do movimento é concêntrico. As superfícies inclinadas convergem para um plano no centro da composição e se opõem à dispersão do espaço expositivo do Paço das Artes. O projeto, que leva em consideração o baixo pé-direito da construção, está em harmonia com a horizontalidade do prédio.
Não se trata de um playground para a diversão, mas nada impede as crianças de brincarem nele. Também não é uma escultura apenas para ser contemplada, embora a peça sugira movimentos visuais e, tampouco, um palco para performances espontâneas, mesmo que o comportamento do público seja sempre imprevisível. Consciente da ingenuidade de projetos que creem na possibilidade da participação plena nos dias de hoje, o artista propõe que o espectador suba os cerca de 60 centímetros de altura da rampa para ter uma visão mais ampla e aberta do local. Essa interação tímida, sem um objetivo didático e claramente determinado para o público, ao mesmo tempo em que desestimula a indiferença do visitante, gera indagações sobre a relação do sujeito com a arquitetura do prédio.
Notável é a sua não utilidade como rampa de acesso, como facilitador da subida ou descida de algum objeto ou pessoa, e ao mesmo tempo certa proximidade com o design. Interessa ao artista as aparências do espaço e as modificações criadas nele pela expografia.
Como em eventos, feiras e campeonatos esportivos que dominam a agenda da cidade, Bortolozzo recorre à empresas que trabalham com rampas de skate. Terminado o evento, as peças serão retiradas do espaço e instaladas em outro contexto, provavelmente não ligado ao circuito das artes. Contratar especialistas para a montagem reforça seu distanciamento em relação ao improviso. O inacabamento é descartado, o bem feito e o impecável são metas a serem alcançadas.
Com esse trabalho, o artista mostra o quanto sua produção é refratária às tentativas precoces de conceituação de tendências da arte contemporânea e o quanto ele não se adéqua totalmente aos anseios de curadores internacionais que priorizam a gambiarra e a precariedade na arte feita no Brasil. Rock: Rampa se recusa a corroborar a visão de que a arte produzida em países subdesenvolvidos seja necessariamente pobre, regional e que apresente os remendos de nossa vida social, como se aqui não pudesse existir obras bem-acabadas e lapidadas.
The series Rock Rampa created a relationship between the form and benefits of the
architecture of the museum and the skate ramp. In this work the contrast between the public and museum space will be confronted.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s