Centro Cultural São Paulo, Intervenção “Empena Cega”

ccsp

centro cultural sao paulo Thiago Bortolozzo

Intervenção “Empena Cega” Centro Cultural São Paulo, Piso Caio Graco de 16/11 a 22/2/2015.

centro cultural sao paulo brasil

centro cultural sao paulo instalacoes

Instalacao centro cultural sao paulo

instalacao ccsp 2015

Empena Cega .

Empena Cega é uma intervenção do Thiago Bortolozzo na fachada da entrada ao Piso Caio Graco no Centro Cultural São Paulo. Esta intervenção funciona como uma espécie de interlúdio entre diferentes dispositivos. São necessários alguns apontamentos sem ordem de relevância que tentariam tangenciar as proposições envolvidas no projeto.

A estrutura de tapumes: a utilização de tapumes para proteção e camuflagem de estabelecimentos comerciais e construções fez com que esse tipo de estrutura entrasse em um estranho dialogo com a cidade e seus habitantes. Representam a estrutura arquitetônica efêmera por natureza. E em sua eficácia fazem desaparecer e têm que desaparecer. Mas, contraditoriamente, mesmo em construções, o que antes eram velhos tapumes quase restos de material, acabaram adquirindo outro status. Por exemplo, em lojas em transição ou mudança, essas paredes de caibros e compensados de madeira além de protegerem e esconderem o que está em obra são também suportes para propagandas. Anunciam aquilo que não está mais lá, pelo menos não da forma que estava.

Recentemente temos ainda outro uso para tapumes: para proteção de equipamentos simbólicos de poder. Especialmente para a proteção de suas vitrines. Vitrines que sempre foram vitimas mais frágeis e fáceis em manifestações. Com a não tão nova disseminação de manifestações políticas, como a hiperdimensionada “jornada de Junho”. Bancos, prédios institucionais ou lojas que representam grandes corporações começaram a utilizar desse dispositivo. Bortolozzo há algum tempo fez uma série fotográfica registrando não apenas o uso ordinário de tapumes, mas justamente esse tipo de aplicação estratégica no bairro de Kreuzberg em Berlim. Além dos registros também fez intervenções com imagens que explicitavam o contexto político desses diferentes níveis de intervenção.

Mas penso que esses tapumes não agem apenas como proteção, ainda tem a função de camuflar o significado desses prédios, ou mesmo dissimula-los, subtraindo seu peso simbólico. E bloqueando o diálogo instantâneo que mantém com os passantes. Seria quase o inverso da publicidade. Desanunciam aquilo que de qualquer forma esta lá.

Passamos então a função da vitrine. As vitrines que seduzem e repelem… que exibem mas protegem. Todos podem ver, mas só alguns poderão comprar. A história da vitrine se confunde com a do moderno fetichismo da mercadoria. Uma vitrine que não funcionasse numa lógica de distinção perderia muito de seu sentido. No caso dos bancos também acabam servindo a uma ambígua condição de proteção: seleção e contenção de fluxo daqueles que entram e ao mesmo tempo a proteção pela exposição daqueles que de dentro são vigiados de fora. Em manifestações destroem-se as vitrines como resposta física ao peso simbólico do lugar, maculando-o mesmo que de forma pueril. Como se libertassem dali seus objetos e abrissem os espaços para um outro comportamento com outros gestos possíveis. Invadir agências e danificar o funcionamento de caixas eletrônicos é muito diferente de rouba-las.

Em um centro cultural, da mesma forma que em um banco, as paredes e portas de vidro em sua fachada inevitavelmente nos remetem a vitrines e sua função, impregnando de um

caráter mercadológico e homogeneizante muito maior do que se fossem uma simples escolha arquitetônica. Correlatos: o banco, a loja, o centro cultural, o museu.

Bom, Bortolozzo fecha a vitrine com uma grande estrutura de tapumes. E assim estabelece outro nexo entre a instituição e sua arquitetura. Sua intervenção como um elemento que justificaria outra interpretação da relação entre esses mesmos dispositivos (o espaço físico e o institucional, o visível e o enunciável). Há uma evidente mudança de comportamento daqueles que passam pela fachada/vitrine do Centro Cultural São Paulo. De repente a entrada esta bloqueada, mas sem indícios de uma construção em processo. Há também o caráter de neutralização, de camuflagem simbólica do prédio que passa a ser qualquer prédio ou tanto prédio nenhum. Invisíveis se tornam sua função, seu conteúdo, seu valor…

A intervenção se torna um elemento deslocado entre vários contextos e acaba causando um efeito negativo de forma estratégica. Criando outra visibilidade pelo desaparecimento, e no caso também estimulando outro desejo de acesso pela obstrução, lembrando que os seguranças também não são mais vistos de fora. E indo além, reafirmando a clausura dos objetos ali expostos contrapondo-se à utópica relevância cultural e acessibilidade apregoada aos mesmos pelo dispositivo institucional.

Empenha Cega paira na intersecção de diferentes dispositivos (aparatos e técnicas dinâmicas de forças entre as regras para nosso comportamento e nosso comportamento diante as regras) e suas respectivas promessas: o centro cultural e a acessibilidade pública; a arquitetura e sua funcionalidade; a instituição artística e sua autolegitimação; a intervenção artística específica (que adviria da fricção entre as últimas); e finalmente a crítica institucional.

Outubro 2014

Tiago Santinho

 

Advertisements